quinta-feira, 25 de julho de 2013

Um conselho do meu amigo Benjamin

Num breve instante, fala o que querem ouvir,
Prum momento qualquer, renega o querer.
Eis o salgado do existir,
Viver sem poder sentir.

O problema não é universal,
Mais sim do material mundo da psique.
Aquele que tu modela a sensação,
De acordo com a percepção e não da afecção.

Ora, ora, ora – vá-lha-me-deus,
Se quiseres que tua genialidade seja reconhecida
Crie e não reproduza.

O pessimismo existe pra podermos existir,
O culturalismo existe pra poder expandir,
A idiotice persiste pra decadência sobreviver. 



quarta-feira, 24 de julho de 2013

Bumja mandando ver



                Poucas vezes achei algo tão necessário quanto este texto no momento em que vivemos!

terça-feira, 23 de julho de 2013

Onde está acontecendo a festa da modernidade?

  Uma virada de pescoço pra trás e algumas perguntas:

1.Quem leu nas últimas semanas que os partidos de esquerda estavam atrasados na compreensão política? 2. Quem escreveu isto? 3. Quem tentou entender a real influência das redes sociais nas manifestações? 4. Quem acreditou depois dos fenômenos novos de mobilização apresentados que uma nova forma de atuar na política (pra esquerda) surgiria?



Pois bem, muitas pessoas, inclusive eu, estavam se sentindo na missão de ajudar a escrever o tempo novo, tentando cooperar da melhor forma. Mas eis que o velho tempo bate na porta com alguns fatos:

1.O papa está no Brasil e todos, inclusive eu, acompanhando os passos do líder católico; 2. O novo herdeiro da família real inglesa nasceu e é o assunto do momento; 3. Fernando Henrique Cardoso foi convidado por muitos programas pra falar do novo tempo político; 4. O Partido Verde vem à televisão com uma chamada dizendo-se preparado pra suprir os novos desafios da esquerda.

Se, para Hegel, Napoleão era o espírito do mundo a cavalo - o que ocorreu com o baixinho tão poderoso? Seu cavalo cansou, seguiu em frente ou voltou?

Voltamos pro passado? De volta pro futuro? (só que não); talvez um salto de trampolim que nos fez cair num buraco muito profundo?

Muitas coisas vêm à tona, mas uma delas é fato: a modernidade ainda não aconteceu em sua plenitude.


Querida, estamos ansiosos!

domingo, 14 de julho de 2013

O nosso vandalismo de cada dia

Nas manifestações de junho, dezenas de centenas de milhares de pessoas estiveram nas ruas das principais cidades brasileiras. Ainda não se sabe quais serão os reais impactos políticos que teremos, pois muitas coisas foram faladas e algumas, infelizmente, estão com dificuldades de sair do plano das ideias.

O principal argumento governista-palaciano quanto às críticas deu-se pelo chamado vandalismo. Descreveram sob tal conceito as ações de depredações que alguns grupos fizeram a prédios públicos e instituições privadas.
Mas em quais circunstâncias o chamado vandalismo pode ser encarado como algo negativo? Quando uma população ataca agências bancárias – representação maior do capitalismo – a crítica de esquerda ainda sim deve considerar tais ações maléficas?

O conceito de vandalismo vem do fato histórico do povo germânico, denominado Vândalo, que invadiu Roma e depredou obras arquitetônicas e de arte. Sendo assim, ficou denominado de vandalismo tudo aquilo que agredisse o belo nas cidades.

Na história das guerras, a destruição de monumentos públicos significa conquista. Um fato histórico interessante está no movimento da Comuna de Paris, que tentou desmantelar uma coluna da Place Vendôme, símbolo do poder de Napoleão. Nietzsche, dado a este fato, denominou a Comuna como um atentado à cultura.

Quando prédios públicos que simbolizam o poder de determinada classe na ordem do estado são atacados, de fato é uma ação que ataca a democracia? Quando o Itamaraty foi atacado, um líder comunista reivindicou a defesa do prédio por abrigar diversas obras de arte. De fato, atacar tal prédio é uma afronta à democracia brasileira?

Na consciência marxista mais clássica, a luta de classes está em vigor, por isso o vandalismo não pode ser encarado como ferramenta de tentativa de dominação da classe mais baixa?   

Um ponto a ser defendido neste artigo são as diversas formas que o chamado “vandalismo” ocorreu. De fato, em momentos de mobilização, a direita brasileira usa de seu udenismo mais clássico - infiltrando pessoas dentre os manifestantes para tumultuar quando quem está no governo é uma força originária da esquerda.
Isso pôde ser visto em São Paulo, quando um estudante de arquitetura da USP, filho de um empresário do transporte público de São Paulo, chutou os portões da prefeitura, cujo o prefeito é um intelectual habermasiano de esquerda, professor da mesma universidade, ex-ministro da educação do governo Lula e filiado ao Partido dos Trabalhadores.

Também foram identificados punks e membros de forças anarquistas, principalmente no Rio de Janeiro, que encaram o estado como força a ser combatida independente de quem esteja no poder, defendem o fim desta força central de maneira abrupta e acreditam nesta forma de atuação.
Mas não são tais modos de atuação que quero analisar, mas aquilo que considero como mais natural, ou seja, jovens da periferia que atacaram prédios públicos nos centros urbanos por não se sentirem representados pelos mesmos. Em junho, no Facebook, jovens da periferia paulistana informaram que se fossem ao centro, algo iriam quebrar referindo-se às estruturas simbólicas do poder.

A psicanálise tem na psicologia social, uma área de estudos que aborda a representatividade social. Neste campo, podemos tentar entender os motivos que fazem um jovem da periferia não se sentir representado pelas estruturas mais clássicas dos centros urbanos brasileiros.

Tomando com exemplo um jovem da zona leste paulistana, tomado pelo desejo de agredir o poder, que estava no centro de São Paulo na maior manifestação que ocorreu na capital paulista no mês de junho, quando chegou à concentração que estava acontecendo em frente ao teatro municipal. Por que ele deveria ter zelo pela estrutura?

Quantas vezes ele já esteve dentro daquele teatro? A forma arquitônica representa sua cultura? Por que ele nutre raiva pelos prédios públicos mais belos? Sua agressão não é um fato da luta de classes? A esquerda não comete o erro de Nietzsche quando acha que a agressão é um mero ataque à cultura?


Um governo de esquerda deve ocupar todos os prédios públicos para que o povo tome posso deles, caso contrário sempre estará distante da massa geograficamente e ideologicamente pela arquitetura, também.